Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Filme’ Category

Desde o nascimento da Beatriz que eu não vou ao cinema com regularidade e, finalmente, parece que esse problema chegou ao fim: ontem teve a sessão de estreia do CineMaterna em Recife! Esse programa já existe em diversas cidades brasileiras e é conhecido por muitas mamães. O filme escolhido para a estreia no Shopping Recife foi Alice no País das Maravilhas e quero registrar minha opinião sobre esse evento.Estava lotado e os organizadores não pouparam esforços em agradar as mamães. Além de brindes (fraldas e óleo vegetal da Natura), ganhamos uma fotografia com nosso bebê. A criançada ficou realmente à vontade. Bem, eu não consegui acompanhar o filme como imaginava que conseguiria… Pensei que ao apagar as luzes a Beatriz iria sossegar e ficar quietinha no meu colo. Doce ilusão! A pequena, que tem se mostrado cada dia mais peralta, não sentou um minuto, desfilou seu nariz de palhaço por todo lado. Acredito que esse programa, para mães de bebês que já andam, só é proveitoso quando se tem um bebê anjo, o que não é o meu caso… Valeu por vê-la brincando e interagindo com as outras crianças, o grupo dos 10% que queriam mais era brincar. Sempre gostei do fato da Bia dormir sozinha no berço dela, mas nessas ocasiões, nem adianta tentar niná-la para dormir que ela fica mais estressada. O sling ajudou, só que na fase de explorar o mundo ela quer é correr e fica irritada se tento mantê-la “presa” por muito tempo. Ah, o único ponto negativo é que a sala estava bem quente, talvez por reduzirem o ar condicionador por causa das crianças. Enfim, tentarei participar de todas as sessões do CineMaterna em Recife, desejando que minha bebê fique mais calma nas próximas vezes e eu, de fato, possa ir ao cinema ver um filminho com a Bia a tiracolo.

Primeira vez da minha baixinha no cinema:Chegando, ainda quietinha no sling / Aprontando todas dentro da sala / Num raro momento em que sentamos / Na entrada, em frente ao cartaz do filme com a amiguinha Sarah, cartaz esse que a Bia quase derrubou /Foto que tirei ao chegar no cinema com a Bia

Anúncios

Read Full Post »

Desde janeiro não escrevo sobre os livros que tenho lido e nesse período confesso que li bastante: foram doze livros até agora. Minha meta é pelo menos dois livros por mês e tenho conseguido superá-la. Pois é, posso ser mãe em tempo integral, mas tenho procurado não deixar meu hobby favorito de lado.

Por onde viajei:

  • Saga Crepúsculo, Stephenie Meyer: já havia comentado nesse post sobre o interesse que essa coleção despertou em mim e o sucesso desse romance sobrenatural dispensa maiores comentários. Estou esperando ansiosa pelo lançamento do filme Eclipse nos cinemas! A propósito, acabei de assistir na Oprah uma entrevista com Robert Pattinson (charmoso e simpático!), Taylor Lautner e Kristen Stewater que me deixou com mais expectativas para a continuação da série – e torcendo para que o Cine Materna inclua o Eclipse na lista de filmes a serem exibidos, para que mamães com bebês pequenos não precisem esperar pelo DVD.
  • O menino do pijama listrado, John Boyne: um livro sobre o Holocausto na visão de um menino de 9 anos. É uma leitura rápida e envolvente, principalmente pela inocência de Bruno ao lidar com assuntos ainda não compreendidos por ele. A amizade surgida entre Bruno e Shmuel representa a pureza existente no coração das crianças e a maneira simples que elas criam para entender os problemas da vida. Geralmente acho o livro melhor do que o filme, o que não aconteceu nesse caso. Assisti ao DVD O menino do pijama listrado sem piscar, é emocionante! Deixo o link do trailer do filme para quem se interessar, bem como um trecho do livro.
  • Baunilha e chocolate, Sveva Casati: uma história de amor entre um casal maduro com todos os percalços envolvidos numa relação de dezoito anos que foi construída não só com o companheirismo esperado, mas baseada também em mentiras, traições e decepções. Um pequeno trecho desse deliciosa leitura aqui. Fica a dica para quem procura um bom romance!
  • A mulher do viajante no tempo, Audrey Niffenegger: mais um romance – porque eu adoro, sempre! É a história de Clare e Henry e seus encontros ao longo da vida de Clare. Henry sofre de um distúrbio genético raro que o faz viajar no tempo e encontrar com sua esposa em diversos momentos da vida dela, no passado ou no futuro. Fiquei um pouco perdida com esse tipo de leitura… O filme conseguiu captar melhor as idas e vindas de Henry.
  • Criando meninas, Gisela Preuschoff: quando o Guilherme tinha uns cinco anos eu li o livro Criando meninos. Agora chegou a hora de eu conhecer um pouco mais sobre a difícil arte de criar meninas felizes e seguras. Nunca é demais relembrar conceitos já conhecidos para colocá-los em prática na educação dos nossos filhos…
  • Série Becky Bloom, Sophie Kinsella: As listas de casamento de Becky Bloom, A irmã de Becky Bloom e O chá-de-bebê de Becky Bloom, os três livros que faltavam para mim. Ok, leitura bem mulherzinha que eu amo! Não dá vontade de parar de ler… Estou na torcida por um novo livro da série, eles são hilários! Ah, não sou consumista como a Becky Bloom, mas viajo tanto quanto ela imaginando situações hipotéticas surreais – e criando mil desfechos para fatos que sequer acontecem, são apenas devaneios da minha cabeça… Identificação total.
  • Razão e sensibilidade, Jane Austen: até hoje não tinha lido nada da Jane Austen (uma vergonha!). Eis que aproveitando uma promoção comprei esse clássico da literatura e… me apaixonei! Tem tudo que eu gosto num livro: romance água-com-açúcar, personagens bem caracterizados, leitura leve, ou seja, retrata o dia-a-dia de pessoas comuns, na sociedade inglesa de 1811. Estou de olho no Orgulho e preconceito, o próximo da minha listinha! O blog Jane Austen em portugês é maravilhoso, visitem-no.

Agora finalmente começarei a leitura de A sombra do vento. E, como sempre, aceito sugestões de bons livros para enriquecer meus dias. Termino com uma fotinho da minha pequena e seus amigos livros, seguindo os passos da mãe.

PS: Prometo escrever em breve sobre dicas de livros para bebês. Já para os pré-adolescentes, o meu rapaz tem lido bem menos do que eu gostaria, por isso, não tenho muitas novidades. O volume de informação para estudar para o colégio tem sido enorme e o Gui tem lido mais os paradidáticos recomendados.

Read Full Post »

Noites de Tormenta

Noites-de-Tormenta--

Assisti ao filme Noites de Tormenta (Nights in Rodanthe, 2008) e recomendo para quem gosta de um drama romântico. Ideal para tardes chuvosas… O casal de protagonistas é Richard Gere e Diane Lane, que voltam a atuar juntos depois de Infidelidade (também ótimo, na minha modesta opinião). Inspirado no livro homônimo de Nicholas Sparks, o mesmo autor de livros que originaram longas como Diário de uma Paixão, Um Amor Para Recordar e Mensagem de Amor. Gostei de todos esses, não poderia ser diferente com Noites de Tormenta. Sei que a crítica não perdoou esse filme, no entanto, se você quer uma história para suspirar ou chorar, eu recomendo. De quebra, ainda tem o Richard Gere que dispensa maiores comentários…

Read Full Post »

83834308

Quem me conhece sabe que não gosto muito de Carnaval, respeito quem caia na folia (como minha irmã, que adora essa época do ano) e me sinto uma alienígena ao morar em cidades campeãs no quesito animação carnavalesca, ainda que não seja a única a pensar assim! Quando morava no Rio de Janeiro, nunca assisti a nenhum desfile de escola de samba ao vivo, mesmo meus pais tendo desfilado, nem sequer pisei em ensaios nos barracões dessas escolas. Agora, em Recife, estive apenas uma vez no Carnaval de Olinda “para ver como era” e não chego perto do desfile do Galo da Madrugada. A parte histórica é interessante, mas aquela muvucada, bebida alcoólica em excesso, cigarro e todo o etc dessa época do ano não me atraem! Por isso, decidi ficar em casa fazendo coisas simples que adoro, junto com meus amores: preparar novas receitas culinárias, ler bastante e assistir a alguns filmes.

Bem, por enquanto preparei duas delícias que indico para quem não esteja de regime: Matricciana cremosa e Pudim de sorvete. Tudo bem que desenformei meu pudim antes da hora – oh, gula! – mas ficou tudo espetacular! Aproveitei para organizar minhas receitas, salvar aquelas que li via feed e me agradaram, deixando preparado um cardápio carnavalesco de deixar o Rei Momo com água na boca. Depois conto quais serão as próximas delícias. Para quem mal sabia fritar um ovo, estou me saindo muito bem como cozinheira, rs.

Filmes, apesar de ter uma lista deles me esperando, por enquanto vi apenas Ensaio sobre a cegueira. Um bom filme, faz você refletir sobre a vida e como a enxerga. Teria o Carnaval um pouco dessa cegueira momentânea, capaz de tirar a lucidez e fazer com que as pessoas busquem apenas satisfazer seus instintos primitivos? Talvez…

Já em relação aos livros, ontem resolvi “bater perna” no shopping, que estava bem vazio por causa do desfile do Galo da Madrugada, porém me decepcionei. Saí decidida a comprar dois livros novos e já havia pesquisado o preço deles na Internet: na loja eles custavam praticamente o dobro! Como assim? Senti-me roubada!!! Entendo que as vendas on-line são incentivadas, mas daí a cobrar muito mais caro na loja, me obrigou a sair de mãos abanando da Saraiva, tenho pena do meu dinheirinho. 😉 E eu queria tanto ler A distância entre nós, de Thrity Umrigar e O chá-de-bebê de Becky Bloom, de Sophie Kinsella… Agora, só me resta terminar aqueles livros que ficaram pela metade e reler alguns outros, até receber o que comprei pela Internet!

E o tempo está tão bom pra ficar em casa… uma chuvinha fina, ótima para dormir e recarregar a bateria. O Gil e o Gui também são caseiros como eu, o máximo que devemos fazer é uma matinê básica no clube para o Gui brincar com os amiguinhos. Eu também não tenho tido muita disposição para longos passeios, a barriga está cada vez maior, minha pequena é bem serelepe e sei que o ideal é relaxar, aproveitando ao máximo esse período da gravidez. Nem na praia posso ir porque o sol também resolveu se esconder! Na semana passada resolvi algumas coisas que faltavam do quartinho da Bia, estou lendo muitas revistas de decoração de bebê, o que é muito “chato” para quem não gosta disso como eu. Não posso fazer um projeto faraônico com decoradores, por isso eu quem estou inventando tudo com as ideias que surgem ao ler essas revistas e alguns sites. Sem contar que a mãe de uma amiga faz trabalhos em MDF para lojas infantis e foi um grande achado para mim. Está ficando um quarto bem mimoso, com cara de menininha, sem excessos.

No mais, estou atualizando e-mails e Google Reader. Por falar nisso, como tem blog deixando de postar, heim? Será uma fase? Ah, nessa “limpeza” do meu Reader e passeios pela Internet, garimpei umas dicas bem legais. Já irei escrever sobre elas para vocês se divertirem nesse fim de domingo.

Bom Carnaval, com ou sem folia, para todos! E quem tiver dica de receita fácil e gostosa, filme imperdível ou livro nota 10, deixe no comentário a indicação para mim.

Read Full Post »

Bezerra de Menezes

No dia 29/agosto será a estréia do filme: Bezerra de Menezes, O Diário De Um Espírito. Ontem estudamos sobre a vida desse grandioso espírito na mocidade do centro e aproveito o espaço do blog como mais um canal de divulgação. O filme, além de ser uma inciativa do cinema brasileiro, tem como objetivo divulgar não só a história do doutor Bezerra, mas também o Espiritismo. Com direção de Glauber Santos Paiva Filho e Joel Pimentel, tem no elenco: Carlos Vereza (no papel principal), Caio Blat, Paulo Goulart Filho e a participação especial de Lúcio Mauro. A produção foi orçada em 1,7 milhões de reais, a cargo da Trio Filmes e Estação da Luz e teve como locações Ceará, Pernambuco e Rio de Janeiro,

Bezerra de Menezes foi médico, político e grande divulgador da Doutrina Espírita no Brasil, sendo considerado o “Kardec Brasileiro”. Conhecido como médico dos pobres, tinha índole caridosa e desencarnou sem posses, praticando o bem a quem quer que fosse.

“O médico verdadeiro não tem o direito de acabar a refeição, de escolher a hora, de inquirir se é longe ou perto. O que não atende por estar com visitas, por ter trabalhado muito e achar-se fatigado, ou por ser alta noite, mau o caminho ou tempo, ficar longe, ou no morro; o que sobretudo pede um carro a quem não tem como pagar a receita, ou diz a quem chora à porta que procure outro – esse não é médico, é negociante de negociante de medicina, que trabalha para recolher capital e juros os gastos da formatura. Esse é um desgraçado, que manda, para outro, o anjo da caridade que lhe veio fazer uma visita e lhe trazia a única espórtula que podia saciar a sede de riqueza do seu espírito, a única que jamais se perderá nos vaivens da vida”. Bezerra de Menezes

PS: Já sou uma “senhora” para freqüentar a mocidade espírita, porém o Guilherme não queria mais ir na evangelização infantil e fomos orientados a levá-lo nas reuniões de jovem. Ele é o caçula da turma e eu ficarei com ele até a total integração. Pergunta se eu gostei: adorei, volto no tempo quando eu cantava, aprendia sobre essa abençoada Doutrina com dinâmicas, brincadeiras, amigos… Foi assim que conheci meu marido! Que tempo bom…

Read Full Post »

Sábado eu estava com uma super enxaqueca e só queria ficar deitada, quietinha, esperando o analgésico fazer efeito. Lembrei que tinha um DVD para assistir, um romance, o que seria ideal para um sábado à noite como esse: Um amor para recordar. Achei que fosse apenas mais uma história de amor entre adolescentes americanos, porém, me surpreendi. O filme levou-me às lágrimas, vi, revi, decorei a música, refleti… E até o Gil, que não é muito “chegado” a esse tipo de filme, adorou. A história, mais do que a velha fórmula de um simples romance com excelente trilha sonora, transmite uma mensagem de fé em Deus, de crença no melhor do ser humano, de valores que devem ser cultivados por todos nós. É lindo, sem ser piegas. Amor puro, emocionante, uma verdadeira lição de vida, principalmente para os jovens de hoje em dia. Quer saber mais sobre o filme? Clique aqui e assista ao vídeo abaixo. Recomendo!

Only Hope (Composed by Jon Foreman / Mandy Moore)

There’s a song that’s inside of my soul
It’s the one that I’ve tried to write over and over again
I’m awake in the infinite cold
But you sing to me over and over and over again

So I lay my head back down
And I lift my hands and pray to be only yours
I pray to be only yours
I know now you’re my only hope

Sing to me of the song of the stars
Of your galaxy dancing and laughing and laughing again
When it feels like my dreams are so far
Sing to me of the plans that you have for me over again

And I lay my head back down
And I lift my hands and pray to be only yours
I pray to be only yours
I know now you’re my only hope

I give you my apathy
I’m giving you all of me
I want your symphony
Singing in all that I am
At the top of my lungs
I’m giving it back

And I lay my head back down
And I lift my hands and pray to be only yours
I pray to be only yours
I pray to be only yours
I know now you’re my only hope

Read Full Post »

Encantada

Estou de “molho” nos últimos dias por causa de um pequeno procedimento cirúrgico pelo qual o Gui precisou passar. Nada grave, mas ele precisa de repouso e está bem manhoso. Com isso, estamos assistindo a muitos filmes: Vira-lata, Meu monstro de estimação, Elizabeth – A era de ouro (esse por escolha minha e do maridão) etc. De todos os filmes assistidos nesse período – e minha atualização do mundo cinematográfico continuará na próxima semana -, teve um que particularmente eu amei: Encantada, da Disney. Nunca eu cogitaria em alugar esse DVD, até porque o tema “princesas” não é o preferido do meu rapaz! Mas como minha amiga Emília falou tão bem da história, fiquei curiosa e resolvi arriscar.

Encantada é uma comédia romântica maravilhosa. O filme nos leva para o conto de fadas e beleza das princesas, em que tudo é perfeito, mágico, excepcional. Porém, nos dias atuais, nem sempre o perfeito é o melhor para nós e até o príncipe encantado muitas vezes pode ser um chato de galochas. E é engraçado esse paralelo traçado pelo filme, pois tudo aquilo “ensinado” nas histórias de princesas na infância é colocado em prova. Era uma vez… E viveram felizes para sempre… Muita música, nenhum problema, só alegrias… Sabemos que a realidade é outra, que o companheirismo que temos com nosso amado é diferente do que é almejado pelas “princesas”. Queremos mais do que isso! Um verdadeiro amor de carne e osso, com defeitos e qualidades, não um príncipe engomadinho que só é ideal nos contos de fadas. Adorei e recomendo para uma deliciosa sessão de cinema em casa, com a família. Ah, a princesa não poderia ter nome mais lindo: Giselle, como minha afilhada querida.

Read Full Post »

Older Posts »